Ciúmes


Ciúmes

Bispa Franciléia de Oliveira



Esse sentimento faz um mal terrível, é como se a pessoa quisesse torturar a si mesma. Diz a Bíblia: “o amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” 1 Co 13.4-7

Não arder em ciúmes significa dizer que não faz sofrer; o ciúme só serve para destruir a união do casal, como também a amizade entre as pessoas.

Embora seja considerado um mal, há quem diga que o ciúme não é nocivo. Estão enganados os que pensam assim; eles acabam se destruindo e, às vezes, até atingem as pessoas ao seu redor. Portanto ame, confie; afinal, uma relação com a plena confiança entre as partes é bem mais sólida. E com um bom “alicerce”, consequentemente, dura mais, muito mais – até que a morte os separe!

Tenho ouvido falar que muitos têm matado por ciúmes; assim, algo que provoca a morte não pode ser bom. Não restam dúvidas, portanto, que o ciúme é um sentimento malévolo. 

O ciúme não prova, de maneira alguma, o amor que você sente pela pessoa. A confiança, sim, prova! Quem confia ama, e quem ama confia.

O amor nunca acaba, e o ciumento jamais fica tranquilo porque estará sempre preocupado com coisas que o perturbam e que destroem não somente a sua vida, mas também a de seu companheiro.

Se você tem dúvidas, procure tirá-las da melhor maneira possível. Pois a dúvida não é de Deus, só vai corroer e fazer você sofrer. Deus a abençoe por limpar seu coração para viver em paz.

Como proceder? Proceda da seguinte maneira:

“O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

Texto extraído do livro: “Sê Tu Uma Bênção no Lar”, com autorização da autora.